5.2.17

EVOCAR WISŁAWA SZYMBORSKA



 AS TRÊS PALAVRAS MAIS ESTRANHAS

Quando pronuncio a palavra Futuro,
a primeira sílaba já se perde no passado.

Quando pronuncio a palavra Silêncio,
suprimo-o.

Quando pronuncio a palavra Nada,
crio algo que não cabe em nenhum não ser.


NOTA: Procurei demoradamente o poema "Conversa com a pedra" mas não vi tradução alguma realmente satisfatória. As três palavras mais estranhas comunica de algum modo o estado de espírito deste que vos escreve e portanto cumpre o intento. Feliz ano novo raro e paciente leitor.

14.1.17

FIM DO MUNDO
Cada tempo tem o
seu próprio e 
íntimo fim
para o Mundo.
Foi assim em 1945.

Tememos mais 
um conflito 
nuclear:
o mais terrível 
final
para o mundo
precisará ser 
outro
conflito nuclear?

+



24.9.16

Feliz Natal para todos


*

palmas 
a palmares
outubro
(rubro)
ou nada
um anelo

estampidos
no
dia
a
pino

COLINA

Francisco K in Error (Sublevação)

*

PEDIDOS DE PRESENTES PARA O NATAL

1 Fim do conflito na Síria  atacar o terrorismo na sua raiz.
2 Fim da produção das Armas Nucleares
(caso contrário o poema do Eliot será desatualizado):

"This is the way the world ends
This is the way the world ends
This is the way the world ends
Not with a bang but a whimper."

Ninguém deseja que um poeta da envergadura de T. S. Eliot seja desautorizado. É gravíssimo.

3 Um pouco mais de "humanidade" na questão dos refugiados.

4 Mais atenção ao potencial energético solar e a despoluição de rios e lagos.

5 MENOS RACISMO nas Universidades brasileiras.

6 No Brasil o problema da violência contra mulher é muito complicado: é uma questão mutante. Não custa desejar um pouco mais de civilidade. Um povo mais educado e mais sensível para abolir essa nova forma de escravidão.

7 O problema da corrupção e dos governos ilegítimos.

8 A extinção da República e a volta da Monarquia parlamentarista.



22.9.16

1. A LUTA

PRECISAMOS FALAR EM DESOBEDIÊNCIA CIVIL
"A maioria dos governos, no melhor dos casos, nada mais é do que um artificio conveniente; mas a maioria dos governos é por vezes uma inconveniência, e todo o governo algum dia acaba por ser inconveniente." Henry David Thoreau in A Desobediência Civil
"A não violência é uma arma poderosa e justa. Ela é uma arma sem igual na história porque corta sem ferir e enobrece quem a utiliza. A não violência é a arma que cura." Martin Luther King
Ao longo da história esse instrumento de libertação das “injustiças legalizadas” foi evocado quando principalmente as leis se mostravam frouxas ou meios de perpetuar a injustiça. Para garantir o restabelecimento do estado de direito, da garantia de direitos legais e humanos, homens e mulheres agindo de modo combinado e massivo desobedeciam seus governantes já que, ao que parece, o único modo de faze-los tomar consciência de seus erros e injustiças era de algum modo mostrando-lhes o quando sem a colaboração do povo os seus respectivos governos não funcionariam.






INJUSTIÇA? ONDE?

Altos salários de parlamentares,
Altos salários de magistrados,
Impostos abusivos e mau distribuído e
Desemprego como decorrência desta equação perversa;
Corrupção;
Racismo institucionalizado;
Violência contra Mulher;
Perseguição a todo tipo de minoria;
A própria lei usada como arma política ou “artificio” partidário, golpe partidário;
Maquina publica injusta: saúde e educação fora da prioridade;
Desvalorização de professores / sucateamento das escolas ;
Sucateamento de hospitais;
Violência ou ainda “onde esta a segurança?”

Em uma expressão: “Estado injusto X povo que sofre.”

INSTRUÇÃO PARA DESOBEDECER OU AINDA "COMO DESOBEDECER?"

Greves;
Vá para rua;
Occupy escolas
Occupy o Senado;
Faça a sua voz ser ouvida em uníssono;
Reaja sem violência ou ainda 
"Black Bloc às avessas."

EQUAÇÃO

y Faça pressão para que o governo deixe de ser uma arma contra a maioria.

+

2 Combata (sim, é você mesmo) o Terrorismo de Estado.

=

3 Mais direitos, manutenção de direitos, nenhum direito a menos etc etc.

COMO? COMO?! 

A Desobediência Civil.

ADDENDUM

Caso a desobediência civil ocorra como movimento espontâneo, como um sinal e expressão do "povo",  não há possibilidade de repressão, de mordaça ou manobra política como tem feito o senado em uma tentativa ridícula de "matar" a Lava Jato.

2. O LUTO

Ferreira Gullar — in memoriam — em dois movimentos:

A MORTE DO POETA, GILSON FIGUEIREDO

O morto é recalcitrante
jamais desiste da sua própria cova.
Não é vaidade, 
entenda.

Na natureza há justiça para tudo 
o que é:
O lugar do começo 
e o instante do fim.

*

O MORTO E O VIVO, FERREIRA GULLAR

Inútil pedir
perdão
           dizer
que o traz
no coração

O morto não ouve

29.8.16

VIAGEM PARA SÍRIA


É obsceno o silêncio ou
os braços cruzados
daqueles que podem fazer algo
pelo povo sírio
todavia
de modo infeliz
e terrível
amontoam
bombas sobre bombas.

26.5.16

FEM STROFER TILL THOREAU, TOMAS TRANSTRÖMER

Ännu en har lämnat den tunga stadens
ring av glupska stenar. Kristallklart salt är
vattnet som slår samman kring alla sanna
                         flyktingars huvud.
I en långsam virvel har tystnad stigit
hit från jordens mitt, att slå rot och växa
och med yvig krona beskugga mannens
                            solvarma trappa.
                             *
Foten sparkar tanklöst en svamp. Ett åskmoln
växer stort vid randen. Likt kopparlurar
trädens krökta rötter ger ton och löven
                         skingras förskrämda.
Höstens vilda flykt är hans lätta kappa,
fladdrande tills åter ur frost och aska
lugna dagar kommit i flock och badar
                              klorna i källan.
                             *
Trodd av ingen går den som sett en geysir,
flytt från stenad brunn som Thoreau och vet att
så försvinna djupt i sitt inres grönska,
                            listig och hoppfull.

17.5.16